domingo, abril 27, 2008

Saladinha básica

Nos fins de semana o menu é sempre mais rico e pra balancear a comilança, me forço a cinco dias por semana tentar comer menos e mais saudável. Tento manter uma dieta balanceada(quando consigo) e essa salada de grão de trigo é bem legal.
Conheci esse grão lá no sul, quando fiz meu curso de gastronomia italiana. Nunca comentei que fiz o curso lá no sul né? O site de lá é esse aqui. Em Flores da Cunha as opções são mínimas e no começo a turma sempre almoçava num restaurante da cidade chamado L'osteria del Gallo. Seu Clóvis, o dono, cuidava da gente super bem e antes de cada refeição ele nos oferecia alguma sopinha. A minha preferida era a de frango com legumes e grãos de cevada - que era como ele chamava o grão de trigo. Era tão boa!!
Nunca cheguei a tentar a fazer a tal sopinha mas a salada com os grãos sempre rola aqui em casa.

*Eu sempre compro grãos de trigo em lojas especializadas, aquelas que vendem produtos naturais como farinha de soja e integral.
*Deixe eles de molho de um dia para o outro. É importante esse tempo porque sua casaca é muito dura o que dificulta sua hidratação.
*Adicione os vegetais que desejar. Os que coloquei na minha podem não ser os seus preferidos nem os que acha mais gostosos. A única coisa que acho importante é que estejam frescos e crocantes.
*Azeite é bom demais e o extra virgem é o tipo que deve ser usado aqui, pois quando cru ele oferece muita coisa boa.
*Se quiser acompanhar com alguma carne eu recomendo as brancas. O sabor do grão é marcante e a suavidade do sabor das carnes brancas combinam super bem.
*A vagem francesa é aquela mais verde e mais fininha. Se não achar a fresca pode fazer sem ela. Ou utilizar a comum, é claro.

Salada de Grão de Trigo

1 cebola roxa pequena picada
1/2 pimentão vermelho picado
1/2 pimentão amarelo picado
6 unidades de vagem francesa
2 colheres de sopa de coentro fresco picado
1/2 xícara de grão de trigo desidratado
3 xícaras de água filtrada para hidratar
4 xícaras de água fervente para cozinhar o grão

Cozinhe o grão na panela de pressão que é mais rápido. Aqui em casa leva mais ou menos uns 30 minutos. Você vai saber que ele está cozido quando estiver levemente aberto. Em uma panela separada refogue os legumes e tempere com sal e pimenta moída. Escorra os grãos cozidos e misture à esse refogado. Tempere com azeite extra virgem e coloque o coentro e sirva!

sexta-feira, abril 25, 2008

Espaguete com molho de camarão

Finalmente estou de volta!! A semana passada foi uma correria!
Ontem, a noite foi chegando e eu estava com uma vontade de comer alguma coisa gostosa. Pensei em ir em algum dos restaurantes que estão participando do festival Sabor Brasil aqui em Brasília. Peguei a revista com a lista dos pratos e antes que eu pudesse escolher algum começou a chover pra caramba. E quem conhece um pouquinho de Brasília sabe que nessa época do ano mesmo quem não é feito de açúcar se desanima em sair nessas tempestades que acontecem por aqui. Corri pra salvar minhas ervas da chuvona e resolvi garimpar a geladeira e fazer algo gostoso e rápido mesmo. Sair nem pensar...

Essa receita é super simples e tirei de um dos livros do Jamie Oliver que tenho - A Itália de Jamie - e como não consigo ficar sem mexer em receita nenhuma, fiz as minhas alterações. Sempre quando faço uma receita pela primeira vez faço exatamente o que ela manda. Da segunda em diante, aí eu já não garanto a fidelidade... Principalmente porque nesse caso - o de uma receita de fora do Brasil - nem sempre eu tenho ou encontro todos os ingredientes.

*O camarão que usei foi o médio e o que tinha aqui é aquele de floripa, rosa e com a casca grossa.
*Tenha muita atenção ao ponto de cozimento do camarão. Ele é apressadinho e um minuto a mais na panela, sua textura vira de borracha. No caso desses que usei, 1 minuto de cada lado em panela bem quente foi o suficiente.
*Tomates pelados são uma delícia mas quem não gosta dos pedaços, sementes ou até mesmo não achar pode usar a passata(que são os tomates pelados processados e passados na peneira). A passata vem em vidros grandes e é igualmente deliciosa.
*Volto à questão do coentro. Essa erva é perfeita com frutos do mar e peixes, mas se você não gosta de jeito nenhum use a salsinha. Mas eu recomendo, muito, o coentro.
*O limão siciliano é aquele amarelinho e que não recomendo substituir pelo verde. O primeiro é bem suave e seu sabor vai se juntar aos outros ingredientes. O limão verde é muito forte e além de aparecer demais na receita pode aumentar a acidez dos tomates.


Espaguete com molho de Camarão

300g de espaguete
1 colher de sopa de sal grosso
20 camarões médios descascados e limpos
1 limão siciliano(retire as raspas e esprema o suco)
1/2 cebola roxa
4 dentes de alho amassados
Sal
Pimenta moída na hora
Azeite
1/2 maço de coentro picado
1 lata de tomates pelados levemente amassados(com o seu molho)
2 colheres de manteiga sem sal

Numa panela grande cheia de água coloque o sal grosso e deixe ferver. Coloque o macarrão e deixe cozinhar pelo tempo indicado na embalagem. Em uma frigideira bem quente coloque com azeite e metade da manteiga o alho e os camarões. Quando os mesmos mudarem de cor tempere com sal, pimenta e o suco do limão e reserve em um recipiente. Nessa mesma frigideira coloque o restante da manteiga e mais um pouco de azeite. Coloque os tomates e deixe levantar fervura. Tempere com sal e pimenta e acrescente os camarões. Desligue o fogo e coloque o coentro e as raspas de limão siciliano. Misture tudo com o macarrão e sirva com queijo parmesão ralado na hora.

quinta-feira, abril 17, 2008

Filé a Parmegiana que gosto



Estava visitando o Technicollor Kitchen e vi a receita(foto acima) que acompanha o filé que fiz ontem. Que delícia de massa. Super simples e com aquele aroma maravilhoso da sálvia, que adoro. O visual da foto eu devo reconhecer que não está um espetáculo, mas por um momento me senti naquelas cantinas italianas. O melhor mesmo foi que usei a minha, que cultivo na minha varanda! Muito legal.
O filé a parmegiana é uma referência à receita italiana que leva o famoso parmiggiano-reggiano, produzido na região da Emilia Romana. Essa receita, que tem outras referências à culinária italiana, com certeza sofreu milhões de alterações ao longo dos tempos, e por isso, a que eu faço, não pode ser considerada a original. Também não quero ser super fiel a nada, apenas à teoria do gostoso(leia aqui).

*Para os dietéticos de plantão aconselho não fazer à milanesa. Apenas faça-o no azeite ou em um pouco de manteiga.
*Já vi lugares que servem no lugar do molho de tomates um molho branco. O que tenho a dizer é que tem gente que inventa demais sem necessidade. E além disso, se for assim, não é filé a parmegiana.
*Alterei um pouquinho a receita do Espaguete. Não tinha manteiga em casa e usei o azeite. O resto está igual ao que está no blog.





Filé a Parmegiana

400g de filé mignon
3 dentes de alho amassados
sal de ervas
3 xícaras de farinha de rosca
2 ovos pequenos levemente batidos
Orégano a gosto
Pimenta moída na hora
100g de queijo mussarela
1 lata de tomates pelados
1/2 cebola picada
Óleo de girassol para fritar
Azeite
Queijo parmesão ralado na hora

Pré-aqueça o forno a 250°C.
Pique grosseiramente os tomates pelados e tempere com orégano, azeite e uma pitada de sal de ervas. Em uma panela refogue a cebola levemente em azeite e acrescente os tomates. Deixe ferver em fogo baixo por 20 minutos. Se achar que está secando muito pode acrescentar um pouco de caldo de legumes. O molho deve ficar consistente, sem muito líquido.
Abra o filé em seu comprimento - lado contrário do que seria se fosse cortar em medalhões - e divida em dois pedaços de 200g. Tempere com o sal, pimenta e alho e deixe descansando por 10 minutos. Bata os ovos levemente com um fio de azeite, sal e orégano. Empane os filés em ovo e farinha de rosca e frite em óleo quente até que fiquem dourados.
Em um refratário coloque um pouco do molho no fundo e disponha os filés. Coloque o restante do molho e o queijo mussarela. Leve ao forno até que o queijo se derreta bem. Ao servir coloque um pouco do queijo ralado por cima. Pode servir com espaguete com ervas ou alho e óleo e ainda com arroz branco.

terça-feira, abril 15, 2008

Cookies e Bolo


Há uns dias atrás coloquei aqui que doces não são a minha comida preferida. Apesar disso as últimas receitas são apenas de doces! Para fechar esse ciclo as duas que você vai ler aqui são uma delícia e super fáceis de fazer.
Já disse também que adoro descobrir receitas e estou sempre à procura da receita perfeita para os meus pratos preferidos. O cookie, aquele que os americanos adoram, sempre foi difícil de encontrar. Já testei várias, mas nenhuma se enquadrou ainda naquela lembrança que tenho do hotel que fiquei em Orlando que todas as tardes tinha sempre uma fornada quentinha. Uma gostosura!
Já o bolo de coco é um vício nosso. Adoramos tudo que tem coco e esse bolo é muito fofinho e clarinho. No dia que o fiz estava chuvoso e pedindo um cheirinho de bolo pela casa. Perfeito para acompanhar um chá de maçã com canela, um chocolate quente e aquele café - que eu não bebo, mas que a maioria das pessoas ama.

Antes de começar:
Os Cookies:

*Eu uso chocolate meio amargo em barras em vez das gotinhas porque quando a gente morde o cookie aquele quadradinho de chocolate aparece muito mais e derrete perfeitamente.
*Se quiser trocar as castanhas por avelã, nozes ou amêndoas, fique à vontade. Pode fazer com aveia em flocos também.

O Bolo:

*O coco fresco sempre vai ser melhor. Só tenha atenção e cuidado na hora de ralar o fresco. Em contato com as mãos depois de ralado ele fica com gosto de sabão. Por isso, não aconselho já comprar o fresco ralado. Eu sei lá se colocaram a mão ou não!!
*Se for usar o que já vem ralado, hidrate ele em um pouco de leite, mesmo que na embalagem que já está hidratado.
*O creme de leite de lata pode ser substituído por iogurte. O sabor altera um pouco, mas fica gostoso do mesmo jeito.


Cookies

200g de manteiga sem sal em temperatura ambiente
140g de açúcar mascavo peneirado
140g de açúcar cristal
2 ovos
1 colher de café de essência de baunilha
1 pitada de sal
1 pitada de fermento em pó
1 xícara de castanhas picadas
1 barra (170g) de chocolate meio amargo picado
400g de farinha de trigo
Papel manteiga

Bata a manteiga bem até ficar com consistência de pomada. Pode fazer isso na batedeira. Junto o açúcar mascavo e bata bem até ficar homogêneo. Acrescente o açúcar cristal e misture. Separamente, bata levemente os ovos com o fermento, o sal e a baunilha. Misture à manteiga, que nesse momento ficará mais líquida. Com essa mistura bem homogênea coloque a castanha. Acrescente a farinha de trigo e misture tudo. Por fim, coloque o chocolate picado. Em uma folha grande papel manteiga faça um rolo com a massa - a espessura é de um rolo de macarrão - e enrole no papel bem apertado. Leve à geladeira de 2 a 6 horas. Passado esse tempo, desembrulhe e corte rodelas de 1cm de espessura. Coloque em um tabuleiro forrado em papel manteiga e leve ao forno pré-aquecido a 200°C por 20 minutos ou até que estejam dourados.
Ao sair do forno eles tem uma consistência mais mole e quando esfria fica mais firme.


Bolo de coco cremoso



200g de coco ralado
1 lata de creme de leite sem soro
2 xícaras de chá de farinha de trigo
1 colher de sopa de fermento em pó
4 ovos
100g de manteiga sem sal
1 xícara e 1/2 de açúcar
1 xícara de leite de coco

Coloque todos os ingredientes, menos o coco, no liquidificador e bata bem. Em um recipiente junte o coco à mistura e mexa até ficar homogêneo. Coloque em uma forma untada e enfarinhada e leve ao forno a 200°C por 30 minutos ou até que ao espetar um palito o mesmo saia limpo.

sábado, abril 12, 2008

Tô precisando...

Adoro sorvete! Acho delícia de qualquer jeito.
Em uma de minhas muitas visitas a blogs de comida e novidades relacionadas a ela cheguei em um do FolhaOnLine, o "Comes e Bebes" do Marcelo Katsuki. É incrível como inventam coisas maravilhosas a cada dia. Quando vi esse post dele(clica no nome do blog) senti que era uma coisa que eu tenho que ter. Sou uma apaixonada por novidades e por coisinhas que são legais, bonitas e que têm uma função específica. Essa bola aí embaixo é uma coisa que sinceramente nunca vi igual. Talvez aquele flavour shaker do Jamie Oliver, mas a dinâmica da tal bola me intrigou. Aparentemente, você tem que colocar gelo e sal grosso em uma ponta e na outra a misturinha para o sorvete no sabor que você quiser. Depois de 10 minutos saculejando a bonita o sorvete está pronto. Vem em dois tamanhos: o Quart, que é mais ou menos 900ml e o Pint que é próximo de 470ml. As cores são lindas, a idéia é demais e, fala sério, quem não ia querer fazer inveja nos amigos quando dissesse depois de um jantar super delícia que iria fazer um sorvetinho básico em 10 minutos?


Vou colocar aqui uma receitinha fácil de sorvete que não fiz na bola, mas no método totalmente artesanal daqui de casa deu super certo. Não tenho foto, mas garanto que foi um sucesso. Para os olhos e para o paladar...

*Escolha a fruta que desejar, mas lembre-se que as ácidas(como o abacaxi) precisam ser ferventadas com açúcar para que não fiquem amargas quando em contato com o creme de leite.
*Use sempre o creme de leite fresco, porque ele aguenta bem o calor.
*Limão siciliano é aquele amarelo. Pode usar o verde também, mas não o leve ao fogo com a mistura.

Sorvete de Morango

3 gemas peneiradas
250ml de leite
250ml de creme de leite fresco
100g de açúcar
raspas de limão siciliano
2 xícaras de morango batido

Bata as gemas com o açúcar até formar um creme claro. Misture ao leite e creme de leite e leve ao fogo mexendo sempre. Quando começar a engrossar deixe por mais 5 minutos em fogo baixo mexendo. Retire do fogo, misture o morango e as raspas de limão. Coloque em um recipiente e deixe esfriar. Nesse momento você pode colocar numa sorveteira. Se não tiver uma leve ao freezer por 2 horas, ou até que comece a endurecer. Depois disso bata no liquidificador e leve de volta ao freezer. Repita essa operação mais 2 vezes.

domingo, abril 06, 2008

A Teoria do Gostoso

Tenho uma teoria que uma receita para ser gostosa ela deve seguir o preceito de que quando só se combinam ingredientes gostosos seu sucesso é garantido.
É a Teoria do Gostoso.
Por exemplo: Macarrão -> gostoso + Tomates -> gostoso + Azeite -> gostoso + Manjericão -> gostoso. Tudo isso = GOSTOSO.
É fácil. É só juntar coisas gostosas que só pode ficar gostoso!

Veja bem na combinação abaixo. Não tem como errar:

*É sempre bom escolher abobrinhas pequenas, que têm menos sementes e são mais firmes.
*A paleta de porco que comprei no mercado veio cortada em grandes fatias de uns 3 dedos de espessura. Pode ser um pernil cortado dessa mesma forma.
*Se não gosta de carne de porco faça com fraldinha. É muito boa e dá pra fazer na frigideira também.
*Usei o vinho chardonnay que acho que combina bem com a carne de porco. Mas veja bem, não sou nenhuma enóloga. Meu gosto é puramente instintivo. Só certifique-se de que o vinho que vai usar seja um seco.
*Lembre-se que o caldo é sempre sem sal, o que me garante que apenas o sabor dos legumes vai prevalecer e o acerto do sal ficará bem mais fácil.
*O sal de ervas eu fiz assim: soquei no pilão tomilho, manjerona e sálvia frescas com sal grosso e um pouquinho de azeite.
*Fiz para 2 pessoas.


Paleta de porco ao vinho branco acompanhado de Risoto de Abobrinha

Para a paleta:

3 dentes de alho amassados
sal de ervas a gosto
1 peça pequena de paleta de porco com pouca gordura
3 xícaras de caldo de legumes
1/2 taça grande de vinho branco seco
azeite

Tempere a carne com o sal, um pouco de azeite e o alho. Esfregue bem esse tempero na carne e deixe descansando por uns 10 minutos. Aqueça bem a frigideira e coloque o azeite. Coloque a carne e deixe dourar dos dois lados. Quando estiver bem dourada coloque metade do vinho. Nesse momento o fundo da frigideira "se solta" e quando o aroma do vinho começar a sumir coloque 1 xícara do caldo. Tampe e deixe ferver. Abaixe o fogo e vá acrescentando o caldo conforme for evaporando. Esse processo deve durar uma meia hora até que a carne esteja cozida por completo. Retire a carne da frigideira e reserve. Com o que sobrou na panela, misture o restante do vinho e deixe reduzir para formar um molho.


Para o risoto:

1 abobrinha sem sementes cortada em pequenos pedaços
1 cebola pequena picada
1 dente de alho amassado
1 cálice de vinho branco seco
2 colheres de sopa de manteiga
1 xícara de queijo parmesão ralado na hora
120g de arroz arbóreo
Azeite
Sal e pimenta a gosto
1,5l de caldo de legumes

Refogue as abobrinhas em azeite e alho e tempere com um pouco de sal e pimenta. Deixe na panela apenas para que pegue o gosto, mais ou menos uns 2 minutos. Reserve. Na mesma panela coloque a metade da manteiga com a cebola. Quando ela começar a clarear coloque o arroz e mexa bem. Acrescente o vinho e continue mexendo até que o mesmo se evapore. Siga o procedimento padrão de um risoto, acrescentando caldo e mexendo até que ele chegue ao ponto de al dente. Nesse momento, coloque as abobrinhas e desligue o fogo. Coloque o restante da manteiga e mexa vigorosamente para que o risoto ganhe brilho e cremosidade. Coloque o queijo ralado, tampe e deixe descansar por 1 ou 2 minutos.


P.S.: Se tem alguma coisa nessas receitas que você não ache gostoso, invente o seu. Afinal, o gostoso é de cada um. ;-)

sábado, abril 05, 2008

Suspiros... e paciência...

Não sou tarada por doces. Não troco uma coxinha por um pedaço de torta de jeito nenhum!! Mas devo dizer que suspiro é um negócio gostoso. Não quero dizer aqueles secos de padaria que quando eu quero dar risada encho a boca com aquilo e falo: "Feijão com farofa!!" e sai aquela nuvem branquinha. Não há quem me convença do contrário e podem até achar que é bobeira, mas é engraçado demais!!
O suspiro que eu faço é muito bom. Ele não fica seco. Tem uma casquinha douradinha por fora e um recheio bem suave, como uma nuvem, bem branquinha. Delícia! Receitinha de família...

Como pode ver no título de hoje, tem que ter um pouquinho de paciência. Mas antes:

*Use uma tigela de vidro tipo 'pirex'. Esse tipo é aquele vidro que é ligeiramente azulado, o que indica que ele recebeu um tratamento que o faz aguentar altas temperaturas.
*O inox esquenta demais e a porcelana de menos. E ainda tem o risco de quebrar.
*Com as gemas você pode fazer quindim ou quindão.
*Cuidado na hora de raspar a casca do limão. Se chegar na parte branca vai amargar.
*Se não quiser fazer os suspiros pequenos faça discos grandes e entre eles coloque chantilly com frutas picadas. Procure por Pavlova no Google ou clica aqui ou aqui



Suspiros

6 claras
12 colheres de açúcar refinado peneirado
Raspas de 2 limões

Aqueça o forno a 200°C antes de começar a fazer.
Misture as claras com o açúcar e leve ao banho-maria até que as claras comece a aquecer. O banho-maria deve estar quente mas enquanto a tigela com as claras estiver nele o fogo deve estar o mais baixo possível. Tenha muita atenção pois as claras não podem cozinhar. Quando estiver aquecido leve à batedeira e bata até se formar um merengue. O ponto é de picos firmes, dos que quando você tirar uma colherada ele não cai. Misture as raspas de limão levemente. Forre uma assadeira com papel manteiga e faça os suspiros. Quando fiz esses da foto eu não tinha saco de confeitar e fiz com colher.
Coloque os suspiros no forno. No meu forno em 10 minutos eles já estavam corados. Uma vez que eles coram já estão prontos.

sexta-feira, abril 04, 2008

Noite do petisco

No post anterior eu disse que gostava de fazer em casa as coisas gostosas que costumo comer na rua. Sempre fazemos aqui em casa a tão famosa "Noite do Petisco" e num dia desses eu reproduzi uns mini hamburgueres - que na foto não parecem tão mini - e sucesso foi total. Não importa na casa de quem seja. Todo mundo pede.
Como o título de hoje é sobre petisco vou colocar aqui mais de uma receita. Pra quem quiser fazer todas em sua própria noite do petisco.
Chega de conversa e vamos às considerações iniciais.

Mini Hamburguer:

*O broto de alfafa usado para enfeitar é o melhor para essa preparação. O outros não têm a beleza e a 'leveza' que esse tem.
*Se não encontrar o broto, corte alface em tirar bem finas.
*Se não tiver mostarda dijon coloque a metade da quantidade da normal. Digo isso porque a normal tem um gosto meio artificial que não funciona muito bem. Ou então use aquela mostarda em grãos na mesma quantidade da dijon.
*As sementes de coentro já se encontra trituradas em supermecados. Ou então vá na feira que naquelas bancas de tempero eles trituram pra você.
*Em um pedido de última hora usei pão de forma para a base e funcionou super bem.
*Se não quiser fazer o molhinho de tomate pode utilizar fatias de tomate bem pequeno. Como está na foto.
Mini Hamburgueres

400g de carne moída sem gordura
1 cebola picada ou triturada
1 dente de alho amassado
1 colher de sopa de mostarda dijon
1 colher de chá de sementes de coentro trituradas
1/2 xícara de queijo parmesão ralado na hora
sal e pimenta a gosto
1 ovo
1/3 de xícara de farinha de rosca ou de semolina
1 pacote de broto de alfafa
50 fatias pequenas de pão
azeite

Refogue a cebola e o alho em azeite. Retire do fogo e em uma tigela coloque esse refogado e misture a carne, a mostarda, o coentro, o queijo, o ovo e a farinha. Misture bem com as mãos até que fique bem homogêneo. Deixe descansar na geladeira por 15 minutos. Enquanto isso faça o molho de tomates:

6 tomates sem pele e sem sementes maduros picados
1/2 cebola ralada
azeite
sal
pimenta
1 colher de chá rasa de açúcar
1 xícara de água ou caldo de legumes

Refogue a cebola em azeite com o açúcar até que fique transparente. Atenção para não deixar o açúcar caramelizar. Acrescente os tomates e tempere com sal e pimenta moída na hora. Coloque a água e deixe em fogo bem baixo por 30 minutos. Se necessário coloque mais água para que não seque. O resultado final deve ser uma pasta úmida de tomates. Experimente o tempero e verifique se não ficou doce. O sabor deve ser algo entre o salgado e o doce.

Montando:
Molde 50 hamburguinhos e passe-os na frigideira com azeite. Em outra frigideira, unte levemente com azeite e doure uma face dos pães. Nessa face dourada você pode passar uma fina camada de azeite ou de maionese. Em cada pão coloque um hamburguer. Em cima um pouquinho do molho de tomates e o broto. Ai que delícia!!! ;)

Mais sugestões de mini sanduiches:


Os primeiros são pãezinhos de leite que comprei na padaria. No recheio foi aquele atum de latinha com um pouco de maionese e pimenta moída na hora. Tinha umas mini alfaces roxas e coloquei também queijo parmesão ralado grosso. Estão acompanhados de coxinhas da asa picantes. Quando tiver uma foto só delas coloco a receita aqui.
Na foto ao lado tenho 2 tipos. Ambos são fatias de pão de forma passadas em requeijão. O que muda é a cobertura. Um está com uma rodelinha fina de cebola, queijo mussarela e orégano. O outro está com queijo mussarela e por cima tirinhas finas de pimentão vermelho e amarelo com gergelim. Todos dois eu levei ao forno para dourar.

Coloque sua cerveja na geladeira e divirta-se!!


quarta-feira, abril 02, 2008

Pizza, pizza, piiiizzaaaa!!!

Eu AMO pizza. Se eu pudesse comeria todo santo dia. Ontem foi aniversário do marido e fomos no Pizza Hut com amigos. Aquela pizza é boa demais e ir lá só me confirma uma triste realidade: Não posso comer pizza todo dia. Mas posso garantir que aproveitamos cada pedaço.
Uma das coisas que mais gosto é descobrir sozinha as receitas das coisas que mais gosto de comer fora de casa. E sem querer inventei uma receita de massa de pizza igualzinha a da Pizza Hut.

Não posso dizer, porém, que a minha receita é igual à que eles usam, mas aqui em casa o sucesso foi total!

Antes de fazer, saiba que:
*Essa massa pode ser de pão também. Recheie com o que quiser, ou simplesmente asse sem nada.
*O molho eu ainda não consegui fazer igual, mas sempre compro esses prontos de pizza. Fica show.
*A famosa 'casquinha' que a massa tem em sua base só consigo fazer quando uso uma forma antiaderente. Por isso que digo que minha receita não é igual à deles apesar de ter notado ontem que a forma que eles servem é uma antiaderente.

Massa:

200ml de leite integral morno
1 sachê de fermento biológico seco(ou 30g do fresco)
Farinha até dar o ponto
5 colheres de azeite
1 pitada de sal
1 colher de chá rasa de açúcar
2 ovos levemente batidos

Misture todos os ingredientes menos a farinha. Vá acrescentando-a aos poucos até que solte das mãos. O ponto dessa massa é suave ao toque em sua parte externa mas por dentro ela ainda está um pouco pegajosa. Unte uma tigela grande com azeite e passe a massa até que a mesma fique totalmente envolvida nele. Cubra com plástico filme e deixe dobrar de tamanho. Estique a massa em uma espessura não muito fina. Unte a forma redonda ou retangular com azeite e coloque a massa. Deixe crescer novamente e coloque o molho de tomate. Leve ao forno pré-aquecido a 180° por 10 minutos. Retire, coloque mais um pouco de molho e recheie da maneira que desejar. Volte ao forno e deixe o queijo borbulhar.

terça-feira, abril 01, 2008

Veggie or not...

Sempre achei que poderia viver uns tempos sem carne.
E que me desculpem os vegetarianos pensei também: What's the point?

De qualquer maneira, de vez em quando me pego 'esquecendo' de acompanhar alguma refeição com a tal proteína. Nunca esqueço os carboidratos(minha fraqueza), mas a carne, seja ela de quem for, eu esqueço... Vai entender...
Um dia desses comecei a tirar umas coisas da geladeira e fiz essa paradinha aí em baixo. Quando terminei pensei:"Verde e Amarelo pra caramba!!" Daí resolvi montar um prato bonito e tirar uma foto legal. Pode ser uma boa entrada.

Amarelo:
*O purê de batatas com alho eu comi uma vez no Outback. Que delícia! Faz tanto tempo que não posso nem dizer se o meu ficou parecido. Mas que ficou bom, isso ficou...
*Depois que descobri que milho direto da espiga cozinha rapidinho nunca mais quis saber de outro jeito!

Verde:
*Se você é daqueles que não vive de jeito nenhum sem uma carne, seja ela qual for, coloque bacon picado dourado em azeite, junto com a couve. Igualmente delicioso.

Tudo:
*Sugestão boa pra acompanhar seria: em vez de purê, a batata pode ser cortada em rodelas grosssas e assada com sal grosso e alecrim. E para incrementar o milho, cozinhe feijão bolinha e refogue em alho e azeite.

Ah! E a receita serve duas pessoas.

Purê de batatas ao alho, milho ao coentro e couve

Para o purê:
2 batatas médias descascadas e picadas
sal a gosto
2 colheres de sopa de queijo parmesão ralado
1 fio de azeite
2 alhos amassados
1/2 xícara de creme de leite UHT(de caixinha)

Cozinhe as batatas em bastante água com pouco sal. Escorra a água e com elas ainda bem quentes mexa bem com uma colher na panela. Como elas estão bem cozidas será fácil e logo ficarão com a consistência de purê. Acrescente o creme de leite, os 2 alhos e o azeite. Bata bem para que o purê fique bem leve. Coloque o queijo ralado aos poucos, experimentando o sal.

Para o milho:
2 espigas de milho bem lavadas
2 colheres de sopa de coentro picado
1 colher de sopa de manteiga sem sal
1 cebola pequena picada
1/2 cálice de vinho branco
sal de ervas e pimenta a gosto

Retire o milhos da espiga. Refogue a cebola na mateiga. Mexa bem e quando a cebola branquear acrescente o milho. Tempere e coloque o vinho branco. Quando o álcool evaporar coloque um pouco de água e deixe ferver por 10 minutos com a panela tampada. Destampe e deixe os líquidos evaporarem. até que fique com um pouco de umidade.

Para a couve:
1 molho de couve cortada bem fininha
3 dentes de alho picados
azeite
sal

Refogue o alho em azeite. Acrescente a couve, uma pitada de sal e mexa bem até que ela murche. Experimente o sal e se necessário coloque mais.

Related Posts with Thumbnails